terça-feira, 23 de março de 2010

Combinação imperfeita

Resolvi que precisava levantar daquela cama. O clima estava totalmente convidativo a permanecer por lá o resto do dia. Chovendo, trovejando a todo instante, um vento assoviando na janela do quarto. O abajur deixava o ambiente mais aconchegante e eu já passara da página 100 de um romance qualquer. Suspirei, eu tinha de ir.
Abri a porta do guarda roupa sem vontade alguma, peguei uma toalha limpa e seca e rumei até o banheiro. Abri o box translúcido e liguei o chuveiro. A água saiu pelando, totalmente quente, o que formava um vapor que me sufocava. Girei meu corpo 180° para desenhar no vidro embaçado. Comecei a escrever aquela letra de música que não saía da minha cabeça desde o início da semana. Enrolei por mais uns dez minutos, até tomar coragem para sair e enfrentar o friozinho. Corri até o quarto e tornei a abrir o guarda roupa.
Não poderia ter escolhido nada mais inconsciente do que aquela roupa. Já pronta, virei para me encarar no espelho. O arroxeado das olheiras de noites mal dormidas se apossava da região abaixo do meu globo ocular. O cabelo um dia já sedoso e comprido se desfazia em um emaranhado de fios dourados e embaraçado. Amenizei a situação com um pouco de maquiagem – o segredo de toda mulher. Mais uma vez, agora sem levar um susto tão grande, fitei minha imagem menos deplorável no que dizia meu reflexo. Mas a roupa. Essa roupa, justo essa. Era a mesma combinação que eu usava no dia em que o conheci. Casual, nada chique, não era roupa de sair. Mas ela estava marcada por um longo período como a “roupa de fevereiro”. Pestanejei por um segundo, mas não tinha mais o que fazer a não ser afastar aquele pensamento da mente. Eu já estava atrasada. Impaciente pelo elevador tomei fôlego e desci correndo a escadaria daquele antigo prédio. Cheguei ao térreo e abri a porta com grande esforço – não era possível que eu estivesse tão fraca assim. Alguns dias sem comer e dormir direito, sinais nítidos de depressão. Eu via aquela mesma rotina arrastando-se em minha direção como uma gosma pegajosa que me faria mal, muito mal. Era venenosa. Olhei para a portaria, na esperança de que ninguém me visse daquela forma.
Ele olhou-me nos olhos daquela mesma maneira profunda. Os olhos negros, combinando com seu cabelo desgrenhado da mesma tonalidade. O nariz adunco e a mesma camisa preta, calçava o mesmo tênis sujo. Era tão desengonçado. Uma figura exótica, que só poderia chamar a minha atenção, de qualquer forma. Percebi que tinha parado de andar, não estava seguindo a rota que montei mentalmente de sair correndo dali. Nos encaramos por um período, sem saber o que dizer. Vou mudar o nome da minha combinação de roupa para “roupa do azar”, apesar de bonita, era a segunda vez que a usava, e nas duas ocasiões me deparei com ele. Engoli seco. E adivinhando o que eu tinha em mente, quebrou o silêncio constrangedor.
- Eu estava te esperando. – foi o que conseguiu dizer, com aquele seu tom descontraído, tentando esconder o nervosismo evidente.

5 comentários:

  1. Primeira!!!!
    Gostei da historia...
    Escrever letras de musica no box eh o que ha!!!!

    eu naum escrevo no box, desenho.

    XD

    ResponderExcluir
  2. ...and then?

    Caramba, Ana, fiquei curioso para saber o resto desta hEstória, hahaha.

    Enfim, não me agradou, por mais bacana e bem escrita que foi.

    A essência me trás um ar de falsidade no ar (não de ti, mas você sabe do que eu falo).

    ResponderExcluir
  3. Talvez eu saiba, saudoso amigo.
    Mas essa história não passa de uma ficção... e sem final! Não quero dar um final para ela, fica a critério do leitor elaborar um desfecho! haha

    ResponderExcluir
  4. Sendo uma estória, muito me agrada.

    ResponderExcluir
  5. A prosa foi muito bem produzida. Um desfecho no texto poderia ser desastroso. Começou e terminou de maneira serena, levando o leitor a não interromper sua leitura enquanto a última linha não preenchesse seus olhos. Estou muito feliz com seu desenvolvimento literário na prosa, Ana. Continue escrevendo sempre. É assim que a gente consegue escrever um pouquinho melhor do que o texto de outrora. Parabéns.

    ResponderExcluir